19 de janeiro de 2010

Dó ré mi

Poema de minha mãe, feito para mim, quando eu tinha três anos.
Tanto coisa atual, tanta coisa verdadeiramente linda, que não haveria melhor presente de aniversário para os meus vinte e nove anos.
Veremos, então, o que me esperam os meus trinta.




Inocência linda e pura
Nestes olhinhos miúdos
Parte de mim
Que já não me pertence
Te dei ao mundo
E ao destino
E não posso sequer guiar-te à sorte

Mas posso e vou caminhar
Junto a ti, sempre.
Não está mais dentro de mim,
Não me pertence, mas é minha

Vou estar sempre junto a ti
E quando a mágoa
Ou a dor afligirem
Este teu coraçãozinho de anjo,
Eu quero apertar-lhe a mão bem forte.

Até a volta de um novo riso
Destes dentinhos pequenos
E que tanto te enfeitam a face.

Dó, ré, mi
Mais que três notas musicais
Mais que um tom
A continuação de um Bem.

Roseri, 11.02.85 (23 anos)